3 de março de 2012

Para sempre... vovó Irma.

O post de hoje é em homenagem a alguém que amo muito e, há 10 anos, nos deixou: minha avó materna, Irma Thereza Soares Holtz.


Inspirei-me a escrever esse post após ler o blog Drafts da Nica, no post em que ela fala sobre seu pai (leia aqui, é lindo!). Lembrei-me de uma poesia que escrevi para minha avó logo que voltamos do seu enterro, no dia 26 de janeiro de 2002. Eu simplesmente me sentei e comecei a escrever. Não mudei nem corrigi nada. A poesia fluiu da minha alma, como se minha própria vovozinha, em sua forma de anjo, a tivesse sussurrado em meu ouvido. Ficou tão marcante que acabamos usando-a em marcadores de livros, que entregamos aos que compareceram em sua missa de sétimo dia.

Para entenderem a poesia...
Minha avó enfrentou o câncer durante seis anos antes de falecer. Sua serenidade e a sua imensa fé em Deus são as características que mais me recordo nela.
Uma lição que minha avó me deixou, e que carregarei pelo resto da minha vida, foi o fato de que nunca, em nenhum momento sequer, eu a vi reclamar. Eu a vi em dias bons, em dias ruins, após a quimioterapia, quando seus ossos enfraqueceram e ela acabou fraturando a perna... mas sempre, SEMPRE nos recebendo com um sorriso sereno no rosto. Jamais reclamando. Jamais praguejando. É um exemplo e uma lição que eu carrego comigo todos os dias. Nunca reclamar; apenas agradecer.

Quando a doença chegou num estágio complicado, ela acabou nos deixando. No dia da sua partida, as enfermeiras se reuniram em torno da sua cama e rezaram um Pai-Nosso. Achei um gesto lindo. Nossa amada Irma partiu devagar, deixando a vida aos pouquinhos, sem sofrer. E, quando minha tia foi dar a notícia ao meu avô, Deus a inspirou a usar as palavras mais suaves: "Ela partiu sem dor. Teve uma morte de passarinho..." (nenhuma analogia ao meu romance O Pássaro... é que meu avô cria e adora passarinhos!).


Então, como expliquei lá em cima... voltando do enterro, eu simplesmente abri o caderno, sentei-me e comecei a escrever. As palavras saíram exatamente desse jeito:

Irma - Nosso Anjo

Sempre de cabeça erguida
Aceitando o que Deus propunha
Uma luta pela vida
Do seu exemplo sou testemunha

Viveu sempre a agradecer
Não deixou-se desesperar
E, antes que pudesse sofrer,
Ouviu a voz de Jesus chamar

Com a tranquilidade de um pássaro,
Sem o mínimo sinal de dor,
Adormeceu para a vida eterna
Nos braços do Nosso Senhor

Agora um anjo - sempre perto
E dentro de cada coração
Junto a Deus por honra ao mérito,
pois cumpriu sua missão.

Deus chamou-a por detrás da Serra
Maria cobriu-lhe com o Seu véu
Seu sorriso apagou-se da Terra
Para sua estrela brilhar no céu!

Te amamos muito, Irma.



...Pois é!
Bom, hoje em dia, ela continua muito presente em nossas vidas. Minha sobrinha, Sarah, nasceu um mês antes do previsto, exatamente no dia do aniversário da minha avó! E o meu mais recente romance, "Quero ser Beth Levitt", é dedicado a ela. Primeiro porque comecei a escrever no aniversário de morte dela (25 de janeiro). E uma das datas mais importantes para a protagonista cai (sem querer!) exatamente no dia 5 de setembro, aniversário de nascimento da minha avó. Ou seja... sempre presente!


É isso, queridos.
Vovó Irma... aonde quer que esteja, espero que esteja sorrindo com minha singela homenagem. Ela sabe que eu a amo muito (até já meio me dizer isso num sonho que jamais vou me esquecer) e eu sei que ela está presente nessa fase tão linda da minha vida, da realização dos meus sonhos. Ela está ao meu lado me inspirando, me encorajando e comemorando muito! Para sempre, vovó amada...


Beijos a todos!
Samanta

11 comentários:

Nica disse...

Lindo Samanta! Minha mãe também foi guerreira! Um dia conto melhor a minha história!
Sua homenagem eh linda e tenho certeza que causadora de muito orgulho!
Estou emocionada! Obrigada pelo carinho e por ter servido de inspiração para o post!
Um grande beijo,
Nica

Dani Sávio disse...

Oi Samanta!

Estou bem, e você?

Muito obrigada pelo seu comentário, acho que você tem razão em dizer para eu conversar com meu pai, acho que irei fazer isso mesmo, quem sabe assim ele vê meu lado e eu vejo o dele.

Quanto ao livro, estou aqui "cantando" minha mãe para me dar, eu fiquei fascinada apenas pela sinopse, imagina o livro todo!

Beijo

Rone Cesar disse...

Sa.. que linda a homenagem... e as vovós... Sim... elas sempre serão eternas... Bjos...

Rone..

Dani Sávio disse...

PS: Achei muito linda a sua poesia. Minha avó se foi faz dois meses e pouco e faz muita falta...

Ricardo Biazotto disse...

Olá Samanta;
Belíssima homenagem e tenho certeza que ela gostou. Emocionante.
Um anjo, que continua viva no coração de todos que fizeram parte de sua vida.
Essas palavras marcaram e dificil irei esquecer.
Parabéns!

Abraços
Ricardo - www.overshock.blogspot.com

Fernanda bordando,pintando e aprendendo disse...

Samanta querida....POr isso vc é boa escritora,escreve com o coração....
Parabéns pela família linda que vc tem..... agradeça ao Senhor mesmo.....
Vc é benção....
Bjinhos....
De quem te admira muito...
Fer

Kel Costa disse...

Minha vó me deixou há 11 anos... e como sinto falta da minha velhinha! Minha segunda mãe =/
Mas sei que ela está lá em cima, olhando por nossa família, junto de meu avô...

Bjs,
Kel
www.itcultura.com

VANIA HOLTZ disse...

EMOÇÃO DEMAIS LEMBRAR DELA, COMO ELA TORCIA POR VOCE, COMO ELA ERA SUA FÃ, COMO ELA NOS AMAVA.......LEMBREI-ME AGORA DA ULTIMA VEZ QUE FALEI COM ELA, QUANDO ELA ESTAVA ENTRANDO PARA A SALA DA QUAL NÃO SAIU COM VIDA E AO TELEFONE ELA ME DISSE: DEUS LHE PAGUE POR TUDO! E EU PENSEI, ERA EU QUE TINHA QUE AGRADECER E ELA ME AGRADECEU...............HOJE EU SEI PORQUE, ERA UM (DEUS PAGUE A TODAS AS MINHAS FILHAS POR TEREM GERADO FRUTOS TÃO ESPECIAIS COMO VOCE, SUAS IRMÃS A SARAH E TODOS OS SEUS PRIMOS SÃO!!!)

Luana Melo disse...

Sammy...

Que coisa mais linda!
A poesia ficou linda e emocionante! Adorei a sua bela homenagem a sua vô!
Eu vi minha avó paterna morrer na minha frente, e a vó materna ainda está vivinha com seus 90 aninhos graças a Deus!!!
Postagem linda, ela deve se orgulhar muito de você, aonde ela estiver!
Beijos*

http://luahmelo.blogspot.com

Tefinha disse...

Ai, Sam, que pena que a gente sempre perde nossos entes mais queridos. 2 anos atrás, em 23 de Janeiro de 2010, uma das pessoas mais importantes da minha vida foi morar com nosso Pai Supremo: minha querida avó Yara. Lembro que demorou um tempo para a "ficha cair" e eu perceber que aquilo realmente havia acontecido. Fiquei bastante triste na época. Não do tipo que se tranca no quarto ou que não consegue fazer as coisas do dia-a-dia normalmente, mas sentia como se algo estivesse faltando.
Mas hoje sei que ela está e sempre esteve comigo em todos os momentos, desde os mais difíceis até os mais alegres, sussurrando em meus ouvidos, demonstrando todo o seu amor e que está sempre olhando por mim, esteja onde estiver. Por isso quando me lembro dela não me lembro com tristeza e dor no coração, mas com amor e alegria, sentindo um calorzinho no coração e um conforto quase impossível de descrever. Como se alguém estivesse me abraçando ou me colocando no colo.
Vovó, sempre vou te amar!

Tefinha - http://aminhadimensao.blogspot.com/

Tefinha disse...

P.S.: Sempre carrego comigo a Medalha Milagrosa que ela me deu quando eu estava na quinta série. :) E quando saio de casa sem ela, é como se alguma parte de mim tivesse sido deixada para trás em algum lugar.

Postar um comentário